abr 29, 2009
Editora Contexto

Como usar a televisão na sala de aula – Professores


como_usar_tv Seria a televisão o principal inimigo dos educadores, do ensino tradicional e da boa formação do aluno na sociedade contemporânea? Ou seria a incorporação desse veículo justamente a salvação para o ensino tornando-o mais moderno?

Estas e outras questões que atormentam o cotidiano do educador estão contempladas nesta obra inovadora. Em COMO USAR A TELEVISÃO NA SALA DE AULA, o professor Marcos Napolitano propõe uma série de procedimentos básicos que permitem incorporar a programação televisual como documento sócio-histórico, como fonte de aprendizado e como catalisadora de debates na escola.

Um conjunto de discussões e um roteiro de atividades, além de muitas sugestões, estão estruturadas de forma a preparar o professor para trabalhar com a TV em sala de aula, com segurança e desenvoltura. Além disso, estimula a reflexão do profissional de ensino sobre o fenômeno social da TV e sua articulação com a escola: um passo importante na formação de cidadãos críticos e conscientes.

Para adquirir a obra, basta clicar na capa acima. Conheça também outros livros da série “Como usar”, clicando aqui.

 

APRESENTAÇÃO DO LIVRO

A oportunidade de escrever este livro surgiu a partir de um pequeno curso oferecido durante o Seminário de História, na 15ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo, em 1998. Esta atividade resultou no convite do professor Jaime Pinsky para que a estrutura do curso fosse transformada num livro, visando atingir um público maior, já que os professores haviam demonstrado grande interesse pelo tema da TV na sala de aula.

Para tanto, estamos propondo alguns procedimentos básicos para que a programação veiculada pela TV possa ser incorporada como documento sócio-histórico, como fonte e não como catalisadora de debates na escola. Enfim, vamos discutir, preferencialmente, a TV  como fonte e não como suporte para conteúdo escolar, seja tradicional ou renovado. Obviamente, as duas dimensões do fenômeno social da TV não estão desvinculadas, mas, num primeiro momento, deve-se ter claro as diferenças de abordagem.

Estruturamos o texto de forma a primeiramente refletir sobre o fenômeno social da TV e sua articulação com a escola. Problemas surgirão e o leitor encontrará uma proposta básica para ordena-los.

A partir de uma ordenação básica dos problemas e tarefas relativas ao uso da TV em sala de aula, passamos à etapa de preparação do professor para trabalhar com a TV, sugerindo os passos fundamentais para que o profissional de ensino possa otimizar seu trabalho. As novidades e sugestões contidas neste livro não anulam necessariamente os procedimentos que, por ventura, o caro professor já venha usando regularmente.

Os métodos podem e devem ser articulados, a criatividade será sempre bem-vinda no desenvolvimento das atividades escolares com os programas de TV que estamos propondo e o leitor encontrará um conjunto de discussões e atividades específicas em torno dos grandes gêneros televisuais e suas possibilidades como fonte de aprendizado escolar.

O texto e as atividades sugeridas são complementados por um conjunto de recursos paratextuais: bibliografias comentadas e analisadas conforme o tema, leituras complementares que tratam de temas específicos, cronologia sobre a história da TV brasileira e anexos que visam facilitar o acesso do professor ao material produzido e/ou veiculado pela TV brasileira.

Esperamos contribuir para dissipar os equívocos e mesmo o comodismo que cercam a relação entre TV e escola. Não se trata (e devemos reconhecer que a escola nem pode faze-lo) de competir com a TV, mas de encara-la como um fenômeno constitutivo das sociedades contemporâneas, que pode ser utilizado como fonte de aprendizado. A TV é fenômeno complexo, ambíguo, muitas vezes contraditório, que oscila entre o sonho e o tédio, a informação e a manipulação ideológica, a socialização e a atomização do indivíduo. Se a escola demonizar a TV nada fará além de mistifica-la ainda mais, sem que se possa contribuir para entende-la e assim critica-la. A TV é, sob certos aspectos, um texto e como tal precisa ser lida. Um texto mágico e colorido, que age muitas vezes no imaginário pessoal e coletivo, mas ainda sim um texto.

Essa, talvez, seja a única instância em que a escola possa atuar sobre o fenômeno social da TV.

Titulo do livro: Como usar a televisão na sala de aula
Autor: Marcos Napolitano

Receba os artigos por e-mail

Cadastre-se para receber nossos artigos em primeira mão:

Contexto na Rede