Close

22 de agosto (1976) | Morte de Juscelino Kubitschek

21º Presidente do Brasil

Natural da pequena cidade de Diamantina, norte de Minas Gerais, Juscelino Kubitschek (1902-1976) se formou em Medicina e ingressou na carreira política depois de completar 30 anos. Antes de se tornar presidente da República (1956-1961), foi prefeito de Belo Horizonte e governador de Minas Gerais, pelo PSD. Após eleição nacional em 1955, assumiu a presidência, tendo como principais promessas a transferência da capital para o coração do Brasil e a realização do Plano de Metas, projeto de modernização pela aceleração do processo de industrialização, conhecido pelo lema “50 anos em 5”.

Em 22 de agosto de 1976, Juscelino Kubitschek viajava de São Paulo para o Rio de Janeiro no banco de trás de seu Opala, quando sofreu um acidente fatal. O carro, que o ex-presidente chamava de Platão, era conduzido por Geraldo Ribeiro, motorista particular de JK por 30 anos, que também não resistiu aos ferimentos decorrentes da tragédia e morreu. Segundo a perícia, o automóvel seguia pela rodovia Presidente Dutra, na altura do quilômetro 165, próximo a cidade de Resende, quando foi atingido por um ônibus. Desgovernado, o veículo cruzou o canteiro de segurança em alta velocidade e se chocou contra uma carreta na contramão, antes de ser arrastado por 30 metros.  O local do acidente ficou conhecido como “Curva do JK”.

JK tinha 73 anos e tivera os direitos políticos cassados pela ditadura, em junho de 1964, apesar de ter intenção de concorrer à futura eleição presidencial, em caso de restituição do regime democrático.

Mais de trezentas mil pessoas assistiram ao seu funeral em Brasília, onde a multidão cantou a música que o identificava: Peixe Vivo. Em depoimento ao Memória Globo, o repórter Álvaro Pereira conta que estava na capital do país naquele dia e se lembra de que o enterro mobilizou a cidade inteira:

“aquilo deve ter assustado o regime militar, e eles não puderam fazer nada. É curioso, porque um regime tão poderoso, apoiado por tropas armadas do Exército, Marinha e Aeronáutica, ficou, de repente, sem ação diante da morte de JK porque veio aquele momento meio espontâneo, a massa na rua, querendo prestar uma última homenagem a Juscelino, queria sair da Catedral com o caixão nas costas. Foi um evento magnífico e comandado pela população, pela massa. O regime militar acompanhou meio assustado, meio amedrontado, apenas tentando manter a ordem daquelas manifestações. Mas não teve o poder de cercear qualquer tipo de manifestação popular de solidariedade ou de homenagem ao grande líder político. Foram momentos marcantes em Brasília e que ajudaram, gradualmente, a construir a democracia no país”.

Seus restos mortais repousam no Memorial JK, construído em 1981, na capital federal do Brasil, Brasília, por ele fundada.


Kubitschek entre seus ministros e correligionários em sua posse.

O corpo do motorista Geraldo Ribeiro foi exumado, em Minas Gerais, no dia 14 de agosto de 1996. A ação decorreu da reabertura do inquérito sobre a morte de Juscelino Kubitschek, solicitada pelo advogado Paulo Castelo Branco, do Museu JK, levantando-se novamente a polêmica sobre o caso. A hipótese do advogado era que Juscelino poderia ter sido vítima de um atentado político. Após a exumação, o corpo foi avaliado por um perito, que afirmou ter encontrado uma fenda na parte frontal do crânio e um objeto metálico não identificado. Nada foi provado: a hipótese de assassinato foi rechaçada pela Justiça, e o caso, arquivado.

Em 2001, a Câmara dos Deputados instituiu uma Comissão Externa – requerida pelo marido da neta de JK, ex-deputado Paulo Octávio – para averiguar as suspeitas de assassinato do ex-presidente. A apuração final da Comissão foi taxativa:

Por mais que se exercite a imaginação e a criatividade, não se consegue encontrar um argumento sólido, balizado, lógico e técnico que possa apoiar a tese de assassinato… Os menores detalhes não passaram despercebidos. Investigamos todas as dúvidas, todas as suspeitas. À medida que as questões foram sendo esclarecidas e respondidas, a conclusão foi-se impondo inexoravelmente. Ao final destes trabalhos, não restam mais dúvidas de que a morte de Juscelino Kubitscheck foi causada por um acidente automobilístico, sem qualquer resquício da consumação de um assassinato encomendado.

Em 2012, a Comissão Nacional da Verdade que analisa os crimes políticos ocorridos entre 1946 e 1988, decidiu analisar o inquérito sobre a morte de Juscelino. Finalmente, em 9 de dezembro de 2013, a Comissão Municipal da Verdade Vladimir Herzog, da cidade de São Paulo, anunciou que o ex-presidente na realidade foi assassinado. Porém, em 22 de abril de 2014, a Comissão Nacional da Verdade, concluiu que tanto o ex-presidente, quanto seu motorista foram vítimas de um acidente de carro e não de um homicídio. A conclusão foi que, após ter o carro atingido por um ônibus, Geraldo Ribeiro tentou recuperar o controle do carro ao realizar uma manobra, reação que, segundo os especialistas, seria impossível, caso ele tivesse sido baleado na cabeça. 

Fonte: Memória Globo