Close
O cérebro digital e a incapacidade de processar dados

O cérebro digital e a incapacidade de processar dados

Uma dieta constante de conteúdo digital está nos transformando num mundo de leitores inteligentes, o que é uma má notícia para nossos cérebros.

 

Vamos ponderar: a mente humana, em média, irá consumir cerca de 34 GB de dados todos os dias. Esses dados vêm na forma de TV, música, anúncios, vídeos, e-mails, sites e aplicativos. É uma quantidade enorme de informações, especialmente quando você considera que consumir esses 34 GB equivale a ler 100.000 palavras.

Um relatório, publicado pela Universidade da Califórnia, destaca uma mudança fundamental na forma como a mente humana absorve e entende a informação. Onde há algumas décadas atrás você teria uma escolha limitada de mídia para ler ou assistir, agora há uma enorme variedade de conteúdo disponível em uma enorme variedade de plataformas, e a mente humana teve que se adaptar para processar tudo isso.

“As pessoas desenvolveram uma habilidade para ler rapidamente, ler a primeira linha e rapidamente identificar certas palavras ou frases que despertem interesse”

Multitarefa de mídia

A acadêmica de Harvard e defensora da alfabetização infantil, Maryanne Wolf, é fascinada pela maneira como as pessoas estão tendo que se adaptar a essa nova “multitarefa da mídia”. Em seu livro recente, O cérebro no mundo digital, ela procura entender o que está acontecendo com nossos cérebros em um momento em que a quantidade de mídia digital supera amplamente a tradicional.

O que ela descobriu é que, graças a uma dieta de conteúdo digital, as pessoas desenvolveram uma habilidade para ler rapidamente, ler a primeira linha e rapidamente identificar certas palavras ou frases que despertem interesse, em vez de ler todo o texto. Enquanto isso pode ser bom para um artigo on-line sobre animais de estimação de celebridades, torna mais difícil entender e processar textos mais longos e complexos.

O problema de ser incapaz de “ler profundamente” – o processo de ler, absorver, compreender e analisar o texto – é que as pessoas acostumadas a ler rapidamente o conteúdo digital evitam ler qualquer coisa que pareça difícil ou difícil de entender. Para adultos, este é um problema sério; para os alunos, pode ser desastroso.

“Neste momento crucial entre as culturas impressas e digitais”, escreveu o acadêmico em um recente artigo do Guardian , “a sociedade precisa confrontar o que está diminuindo no circuito de leitura especializada, o que nossas crianças e alunos mais velhos não estão desenvolvendo e o que podemos fazer sobre isso.

O cérebro bi-letrado

Mas, em vez de pintar uma imagem sombria da humanidade sendo irremediavelmente danificada pela mídia digital, Maryanne Wolf vê uma solução para essa mudança neurológica: a impressão. Ela cita vários estudos que afirmam que a leitura da impressão melhora a compreensão, a análise e a evocação, além de ajudar o leitor a desenvolver empatia com os assuntos ou personagens.

O escritor continua a recomendar que a educação infantil se concentre no uso de materiais impressos, com a tecnologia digital adicionada ao longo do tempo. “Precisamos cultivar um novo tipo de cérebro”, escreve ela, “um cérebro de leitura” bi-letrado “capaz das formas mais profundas de pensamento em meios digitais ou tradicionais.”

Mas se você está falando de uma classe de crianças de cinco anos ou de um trem cheio de passageiros, ler a versão impressa oferece uma fuga dos 34 GB de dados que bombardeiam todos os dias e uma experiência de leitura profunda que vai alongar e exercitar a mente.

“Há uma regra antiga na neurociência que não se altera com a idade”, diz Maryanne Wolf. “Usa-o ou perde-o.”


Artigo por Sam Upton – Equipe Two Sides Brasil