Close
Xô, dúvida!

Ops! O ministro da Educação tropeça no z | Dad Squarisi

O ministro da Educação escreveu: “Com a redução de bolsistas de mestrado e doutorado, há paralização de pesquisas e risco de evasão de pesquisadores para atuação no exterior”. No parágrafo seguinte, escreveu de novo: “O referencial monetário apresentado ao MEC impossibilita a destinação de menos da metade do orçamento que as universidades e institutos possuem atualmente. Com isso, haverá a paralização de cursos, campi e possivelmente instituições inteiras”. Satisfeito, assinou embaixo.

Sua Excelência se esqueceu de que, na língua, a família fala alto. O clã explica, por exemplo, a presença do s em analisar e do z em civilizar. Analisar é derivado de análise. Ora, se análise tem s no radical, nada mais justo que ele se mantenha no verbo. É o caso de bis (bisar), catálise (catalisar), pesquisa (pesquisar), liso (alisar), improviso (improvisar). E, claro, paralisia (paralisar). Reparou? O is faz parte da palavra primitiva. O verbo se formou com o acréscimo do -ar.

A família das ilustres criaturas rezam pela mesma cartilha: análise, analisar, analisado, analisador; paralisia, paralisar, paralisante, paralisado, paralisação; pesquisa, pesquisar, pesquisador, pesquisado; catálise, catalisador, catalisante, catalisado; improviso, improvisar, improvisação, improvisado, improvisador.

E por aí vai.

Como explicar a presença do -izar em amenizar, capitalizar, humanizar e simbolizar etc. e tal? Eles não têm o s onde o -ar possa se agarrar. Precisam de uma ponte. Construíram o iz, que se mantém nos derivados: ameno (amenizar, amenização), capital (capitalizar, capitalização, capitalizado), humano (humanizar, humanização, desumanizado), canal (canalizar, canalizado, canalizante).

Alguns têm o z no radical. Nada mais justo que respeitar a família. É o caso de cicatriz (cicatrizar, cicatrização), deslize (deslizar), juízo (ajuizar, ajuizado), cicatriz (cicatrizar, cicatrização), raiz (enraizar, enraizado).

Fonte: Blog da Dad

________________________________________________________________________________

Dad Squarisi transita com desenvoltura pelo universo da língua. É editora de Opinião do Correio Braziliense, comentarista da TV Brasília, blogueira, articulista e escritora. Assina as colunas Dicas de Português e Diquinhas de Português, publicadas por jornais de norte a sul do país; Com Todas as Letras, na revista Agitação, e Língua Afiada, na Revista do Ministério Público de Pernambuco. Formada em Letras, com especialização em Linguística e mestrado em Teoria da Literatura, concentra o interesse, sobretudo, na redação profissional – o jeitinho de dizer de cada especialidade, cada grupo, cada mídia. Mas é tudo português. A experiência como professora do Instituto Rio Branco, consultora legislativa do Senado Federal e jornalista do Correio Braziliense iluminou o caminho dos livros Dicas da Dad – Português com humor, Mais dicas da Dad – Português com humor, A arte de escrever bemEscrever melhor (com Arlete Salvador), Redação para concursos e vestibulares (com Célia Curto), Como escrever na internet1001 dicas de português – manual descomplicadoSete pecados da língua, publicados pela Contexto, além de Superdicas de ortografia, Manual de redação e estilo para mídias convergentes, dos Diários Associados, e de livros infantis – de mitologia e fábulas.