Close

Os modernos inimigos de Galileu | José de Souza Martins

Publicado no jornal O São Paulo (semanário da Arquidiocese de São Paulo), Ano 52, nº 2.682, terça-feira, 29 de janeiro de 2008, p. 2.


Convidado pelo Reitor, o Papa Bento XVI deveria ter sido o orador que, na quinta-feira, dia 17 de janeiro, faria a conferência inaugural do ano acadêmico da Universidade La Sapienza, de Roma. No entanto, grupos de professores e alunos da universidade levantaram objeções à sua presença numa universidade pública. Invocaram a premissa do caráter laico da Universidade e questionaram as posições conservadoras do teólogo que este Papa também é. Em face do questionamento, conservador e retrógrado, aliás, o Vaticano preferiu cancelar a aula de Bento XVI.

Cristiano Banti, “Galileu perante a Inquisição”

O gesto da impugnação de sua presença e de sua aula nele vitimou, também, os profissionais do conhecimento, os pensadores, os cientistas, tanto os que creem quanto os que não são católicos e mesmo os que não creem. É justo o temor quando se descobre que nos próprios redutos da liberdade de pensamento essa liberdade tenha sido sacrificada por aqueles que dizem defendê-la.

Não se tratava de um sermão, em que a recusa seria até compreensível por parte de quem não professa uma religião. No plano intelectual, filosófico, sociológico e político pode-se discordar do Papa e ele mesmo, em mais de uma ocasião, tem convidado seus ouvintes e leitores, católicos e não católicos, crentes e não crentes, a terem com suas idéias e interpretações um diálogo crítico. Foi o que demonstrou quando foi à Academia Católica da Baviera, em 2004, debater com o filósofo e sociólogo Jürgen Habermas os fundamentos morais do Estado liberal.

O ministro da Universidade e da Pesquisa, em face do ocorrido, questionou o autoritarismo dos atos de impugnação da presença do Papa em La Sapienza e o fez em nome do astrônomo Galileu Galilei, condenado pela Inquisição a abjurar suas descobertas científicas relativas ao fato de que a terra gira em torno do sol e não o contrário. Mas Galileu estava certo e a Inquisição estava errada. O Papa compreendeu que estava agora na posição de Galileu. E, como Galileu, disse a seu modo “E no entanto, se move”, distribuindo o texto da aula densa e erudita, questionada antes de ser ouvida.

O conhecimento não resulta de um monólogo. Em sua conferência, o Papa trataria do conflito entre o bem e o interesse na busca da verdade. Defenderia a universidade e sua missão específica no campo do conhecimento e do ensino. Falaria como professor universitário que foi e optou por continuar a ser, mesmo sendo Papa.

O que aconteceu em Roma não foi fato isolado. Em muitos lugares vem acontecendo o mesmo, como ocorre aqui no Brasil. Em nome da esquerda, grupos que são de fato de direita impugnam a manifestação verbal e escrita daqueles que lhes são fundamentadamente críticos. É um silêncio que, se silencia quem poderia e deveria falar, empobrece e ensurdece quem deveria e poderia ouvir.


José de Souza Martins, um dos mais importantes cientistas sociais do Brasil. Professor titular aposentado de Sociologia e professor emérito da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH-USP). Pela Contexto, publicou os livros A sociabilidade do homem simples, Sociologia da fotografia e da imagem, Fronteira, O cativeiro da terra, A política do Brasil lúmpen e místico, A Sociologia como aventura, Uma Sociologia da vida cotidiana e Linchamentos.