Close

Por uma Geografia dos espaços vividos | Angelo Serpa

por uma geografia dos espaços vividosPor que um livro que busca relacionar Geografia e Fenomenologia? Mais que um método, uma doutrina ou uma filosofia, a Fenomenologia permite o retorno às experiências e práticas espaciais primeiras, sobre as quais construímos nossas referências de mundo e lugar. Essas referências se constroem através da elaboração científica, com a criação de representações conceituais (paisagem, região, território, entre outras), mas também na vida cotidiana, muitas vezes sem vestígio de elaboração conceitual ou mesmo de conscientização.

A relação entre Geografia e Fenomenologia permite entrever uma produção situada do conhecimento geográfico, uma ontologia espacial que enalteça e sublinhe uma Geografia dos espaços vividos, uma Geografia “situacional”, de modo que, enquanto método ou filosofia, a Fenomenologia permite a um só tempo a crítica e a renovação da Geografia enquanto conhecimento (prático e científico).

O diálogo entre Fenomenologia e Dialética é também necessário, a fim de identificar as contradições e os conflitos nos processos de produção/criação do espaço na contemporaneidade. Conflitos e contradições que devem ser explicitados para serem superados, no sentido mais profundo que o termo superação possa assumir numa abordagem dos processos de produção/criação espacial que se quer ao mesmo tempo fenomenológica e dialética.

O livro Por uma Geografia dos espaços vividos, estruturado em oito capítulos, reúne reflexões e experiências, articuladas ao longo dos últimos anos, em aulas e pesquisas no Departamento de Geografia da Universidade Federal da Bahia (UFBA), instituição na qual atuo como professor e pesquisador desde 1996. Creio que o livro possa preencher uma lacuna importante na bibliografia atual em Geografia, já que o interesse pelos estudos fenomenológicos vem crescendo nos últimos anos nas universidades brasileiras e não há muitos títulos nacionais específicos sobre esta relação (entre Geografia e Fenomenologia).

Boa leitura!


Angelo Serpa é professor titular de Geografia Humana da Universidade Federal da Bahia (UFBA), bolsista CNPq, doutor em Planejamento Paisagístico e Ambiental pela Universität Für Bodenkultur Wien (1994), com pós-doutorado em Planejamento Urbano-Regional e Paisagístico realizado na Universidade de São Paulo (1995-1996) e em Geografia Cultural e Urbana realizado na Université Paris IV (2002-2003) e na Humboldt Universität zu Berlin (2009). Atua nas áreas de Geografia e Planejamento, com os seguintes temas de pesquisa: teoria e método em Geografia, espaço público, periferias urbanas, manifestações da cultura popular, identidade de bairro, cognição e percepção ambiental, apropriação socioespacial dos meios de comunicação, estratégias de regionalização institucional, empreendedorismo popular, bairros empreendedores, comércio e serviços de rua. É docente dos Programas de Pós-Graduação em Geografia e em Arquitetura e Urbanismo da UFBA e editor da revista GeoTextos (UFBA). É autor, coautor e organizador de diversos livros, entre os quais Lugar e mídia, O espaço público na cidade contemporânea , A Cidade Contemporânea e Por uma Geografia dos espaços vividos, publicados pela Contexto.